Ó Grande Espírito, cuja vos distingo nos ventos e cujo sopro

dá vida ao mundo inteiro, ouça-me!

Ponho-me na tua frente como um dos teus inúmeros filhos.

Vês, sou pequeno, sou fraco

Preciso da tua força, preciso do teu saber!

Deixa-me caminhar em beleza e deixe meus olhos

Contemplarem sempre o púrpuro pôr do sol.

Zelem as minhas mãos pelas coisas que criaste e ouçam meus ouvidos tua voz.

Faz-me sábio, para que eu possa compreender tudo o que ensinaste e ocultaste

Embaixo de cada folha, de cada pedra, em cada palmo da Mãe-Terra…

Não desejo a força para impor-me aos meus irmãos; desejo-a somente para

lutar contra o meu maior inimigo, eu próprio…

Faça com que eu esteja sempre pronto, para, de mãos limpas e olhos leais, ir

ao teu encontro, a fim de que meu espírito, quando do corpo sumir, como

some o Sol ao fim de cada dia, possa chegar a ti, sem precisar envergonhar-se!

Ahow! Mitakuye oyasin

Prece Lakota-Sioux