Ainda hoje, a reflexologia tradicional deixa uma pergunta no ar: por que a reflexologia funciona? Em geral, os efeitos mais comumente descritos são: melhoria da circulação, normalização das funções glandular e orgânica, além da indução a um estado de relaxamento.

A reflexologia, dentro do contexto recente, caracteriza-se por fazer parte das técnicas a serem utilizadas na abordagem holística da cura natural. É um sistema que complementa os métodos terapêuticos milenares da massagem oriental. O trabalho nas zonas reflexas ativa o fluxo de energia através do corpo – intensifica as forças vitais do próprio corpo e seus poderes de cura.

Assim a reflexologia é um instrumento para a manutenção do equilíbrio físico, psíquico e espiritual, e instrumento para a avaliação de deficiências no sistema energético. É especialmente indicada para tratamentos preventivos, desfazendo desequilíbrios energéticos em seus primeiros sinais. Como todas as técnicas, a Reflexologia requer prática e, sobretudo a vivência através do tato, da atenção, da dedicação e da percepção.

Os nervos do nosso corpo são como um sistema elétrico. Se tivermos habilidade de efetuar um contato correspondente com a eletricidade que levamos interiormente, e os elementos ou a atmosfera que nos rodeiam, com eles determinará o grau de energia, a qual manifestará o devido funcionamento de nossas glândulas. Massagear essa região, quando existe uma congestão nas zonas reflexas, é como consertar ou substituir partes de uma instalação defeituosa.

Áreas Reflexas dos Pés:

Para a prática de reflexologia é necessário em primeiro lugar, o conhecimento das zonas reflexas e suas interconexões.

A primeira correspondência que podemos fazer é a de observar que o pé em seu estado de repouso, visto em seu perfil interno, apresenta a forma de uma figura humana sentada: o dedo correspondente à cabeça, o peito do pé corresponde ao tórax, o calcâneo é o cíngulo pélvico, e o tornozelo, os membros inferiores estendidos para frente. Verifiquemos, então, a semelhança da curvatura da coluna vertebral com a parte interna do pé: a curva cervical correspondendo à curva interna do hálux e na sequência podemos observar a coluna torácica e lombar, o sacro e o cóccix, ao chegar ao calcâneo.

Os dois pés compõem a unidade do corpo; devem ser vistos em conjunto. Olhando as plantas dos pés, teremos a correspondência de metade da coluna em cada um, e os órgãos respectivos (lado direito ou esquerdo) se distribuindo ao longo desta linha, com altura referente à linha da cintura, que divide o pé em  duas partes: superior (em direção aos dedos) e inferior (em direção ao calcâneo). A regra se baseia na proporção do tamanho dos ossos e não em medidas fixadas.