Está é a segunda parte de uma série de 3 vídeos em que vamos explorar a Natureza da Realidade e da Consciência.

Transcrição do texto do vídeo:

Olá bem vindo ao canal da Conexão Energética, meu nome é Carlos Cesar Fernandes, e hoje vamos dar continuidade aos vídeos nos quais exploramos a natureza da realidade e da consciência.

Agora vamos falar um pouco mais profundamente sobre a Realidade Concreta versus a Realidade Simulada de acordo com a ciência hoje.

Então, tomando a pílula vermelha, você ficou no país das maravilhas e eu vou te mostrar até aonde vai a toca do coelho:

Além das revoluções feitas no cinema, Matrix também levantou uma série de questões soabre a natureza da realidade em que vivemos. É obvio que este questionamento para tentar definir o que é o mundo real, sempre existiu, mas depois de Matrix, as pesquisas realizadas por cientistas, filosóficos e pensadores, como eu acabei de mostrar no vídeo, assim como físicos, estudiosos de computação estão começando a considerar a possibilidade de que nós estamos vivendo em uma realidade simulada sim. Uma simulação de computador. Será?

Em 2003 Nick Brostom da Universidade de Oxford sugeriu que nós estamos vivendo em uma realidade simulada. Segundo ele o futuro da Humanidade só pode ser explicado por 3 possibilidades:

A Primeira: A Humanidade vai se extinguir antes de criar as próprias simulações, pois todas civilizações se extinguiram antes de serem capazes de desenvolver simulações idênticas a realidade.

A Segunda: As civilizações do futuro – Pós-humanas – Neo-humanas. Você pode escolher o termo, não vão se interessar em recriar mundos ancestrais (como Matrix e ou Westworld), pois as civilizações que se tornarem capazes de desenvolver simulações idênticas à realidade escolhem não fazer isso por diversas razões.

A Terceira:  Se as outras duas hipóteses não se concretizarem significa que nós já estamos vivendo em uma realidade simulada pelas civilizações futuras e não o mundo real – ou seja as civilizações futuras tem a capacidade  de desenvolver simulações idênticas a realidade e de fato o fazem…aí entramos em dilemas como os paradoxos de tempo e espaço da série Dark.

Mas pera lá. Vamos com calma. Existe a teoria, mas até ai isso não prova nada, mas gera muito conteúdo como este na cultura Pop Digital.

A Primeira hipótese é fácil, a gente acaba com o planeta e consequente com a Humanidade como conhecemos hoje, e ou algum fator natural como um meteoro e ou outro qualquer acaba com a nossa raça.

A Segunda hipótese, é o porque as civilizações futuras não se interessariam em desenvolver realidades simuladas: Basicamente por sentidos éticos, morais, pois para os simulados, dor e sofrimento ainda seriam sensações autênticas, então eles devem banir estes experimentos.

A Terceira hipótese, que é a mais intrigante, é que a chance de que seres humanos como nós estejamos hoje vivendo em uma realidade simulada é de praticamente 100%.

Mas por que se remete a este tipo de pensamento?

Existem dois pilares fundamentais da teoria de Brostom:

O primeiro é a vasta disponibilidade tecnológica que estará disponível no futuro. Ele sugere que uma civilização Pós-humana, ou Neo-humana seria capaz de executar o que ela chama de simulação ancestral. Isto é uma simulação realista de toda a história mental da humanidade.

Dentro de uma destas realidades digitais o universo sendo recriado a um nível molecular, seus habitantes teriam consciência, memórias, emoções e sensações. Essencialmente os simulados estariam conscientes da sua existência, mas jamais conseguindo descobrir a verdade por traz do próprio cosmos.  

Ainda neste ponto Brostom observa a evolução das realidades virtuais que a nossa civilização já está vivendo neste momento, desde o lançamento de pong, que foi a primeira simulação virtual em 1972, um jogo com duas barras e uma bolinha, para os jogos de hoje, como apenas 45 anos depois.

Estima-se que emular – reproduzir a capacidade de uma mente humana, necessite de no máximo 10/17 operações por segundo. Isto significa que com o poder computacional exponencial no qual já estamos inseridos, uma civilização pós-humana – ou Neo-humana poderia emular toda a história mental dos mais de 100 bilhões de Seres humanos que já viveram até hoje alocando apenas um milionésimo do seu poder de processamento computacional durante um único segundo.

O segundo pilar é do independência de substrato: Que é um conceito geralmente aceito na filosofia da mente, que propõem que estados mentais conscientes podem emergir em estruturas e processos além das redes neurais do cérebro, ou seja é como se em alguns momentos existisse uma interferência externa ao sistema neural, algo como que para controlar, restringir, ajustar pensamentos e ações.

Particularmente este é o pilar que eu mais gosto e que tem mais relação com a visão da Conexão Energética, que vamos explorar na terceira parte desta série de vídeos.

Agora estão sendo realizados testes que podem comprovar que a gente vive sim em um universo simulado. Existe um teste de Raios Cósmicos desenvolvido por Silas Beane, um físico nuclear da Universidade de Washington, que são as partículas mais rápidas que existem, que indicam sim que estamos vivendo em uma realidade simulada. Os Raios Cósmicos, se originam em galáxias distantes e viajam pelo Universo e independente de onde estes raios vêm, eles chagam na Terra com a energia máxima específica de 1.002 elétrons Volts.

Se existe uma medida de energia assim tão específica para as partículas, então este estudo explicaria a ideia de que os níveis de energia são pré-definidos.

Este teste de Raios Cósmicos sugere que o Universo é totalmente matemático. calculável, regulado por uma força externa. Se existem limites numéricos provavelmente estamos dentro de algo programável, que não funciona ao acaso. Em outras palavras, estamos em um programa de computador. Se você entende o mínimo de programação, como é que a coisa acontece? Você cria os cálculos, as leis e pões o programa para rodar, seguindo aquelas leis matemáticas.

O universo obedece a um mesmo sistema matemático e programado: Como dizia galileu 400 anos atrás: O Universo é um grande livro escrito na linguagem matemática, isso para não voltar para Platão, na sua frase inscrita nos portões da Academia: Que nenhum desconhecedor da Geometria entre aqui.

Existem ainda outros argumentos para esta teoria:

Na primeira hipótese a nossa realidade é uma realidade objetiva e concreta que existe por si só e não depende de nada além dela mesma para ser explicada.

Na segunda hipótese a nossa realidade é virtual, o mundo existe graças ao processamento de informações.

Na realidade objetiva tudo que a gente vê, e percebe, toca, começou desde o Big bang. Até aí todos concordam. Certo? O Big bang sugere que o Universo o tempo espeço foram criados a partir do nada. Simplesmente aconteceu do nada. O que existia antes do Big bang. Nada?. Ninguém consegue provar.

Mas para esta realidade concreta, materialista e científica tradicional nada pode surgir do nada.????

Agora pela lógica da realidade virtual as coisas podem sim começar do nada.

O Big bang foi um evento de inicialização que aparentemente começou do nada. Agora nenhuma realidade virtual pode existir desde sempre, é necessário um processador para manter esta realidade ativa. Por esta lógica , o Big bang pode ter começado do nada, pois existe um processado anterior e ou um programador anterior.

Então o Big bang pode ter sido o início da realidade que nós vivemos, assim como você liga seu computador e ou seu vídeo game e você começa a trabalhar e ou a jogar do nada.

A realidade concreta é uma ilusão. Se o nosso modo de conhecer o mundo depende da nossa percepção, dos nossos sentidos físicos, ferrou, pois os nossos sentidos enganam a gente o tempo todo, prova disso são as ilusões de óptica, fora aquilo que a gente não consegue captar com os nossos cinco sentidos.

Confiar nos sentidos é uma furada, pois o mesmo fenômeno é sentido, compreendido e vivido de forma diferente pelas pessoas.

Vamos pensar em uma luta de Box. A luta é uma só ela é a mesma para os dois atletas e para todos que vão assistir esta luta. Certo. Mas a percepção de cada um vai ser diferente. Um venceu, o outro perdeu, um apanhou mais que o outro, a plateia vai ter visões e ângulos diferentes para acompanhar a luta, cada um pode ter emoções diferentes e viver aquele mesmo momento, de modos diferentes entre si e em comparação aos lutadores. Ou seja o mundo real não prova nada, porque simplesmente a verdade deveria ser uma só. Se fosse real, se fosse tudo de verdade não poderia ter tanta variação.

Rizwan Virk, cientista de computação da Universidade de Massachuset ( MIT) e designer de games, lançou recentemente – The Simulation Hypotesis – A Hipótese da Simulação. Segundo ele a humanidade tem mais chances de estar vivendo em uma simulação hiper-realista do universo, do que o universo físico propriamente dito. Algo como um vídeo game da vida real, ele argumenta que estamos vivendo em mundo movido por informações.

Isso faria muito mais sentido, porque a gente não entende a nossa própria realidade e assim é provável que nós estejamos em alguma espécie de universo simulado.

E tem mais: Você estão ligados na velocidade limite do Universo?

Einstein disse que nada no universo pode se mover mais rápido do que a velocidade da luz, mas por que? Isso ele não explica. Para a teoria da realidade concreta isso não tem explicação, mas para a teoria da realidade simulada isspo faz todo o sentido. Isso pode ser fruto de uma limitação do processador ou algo desenhado pelo desenvolvedor para evitar a entropia do sistema.

Einstein também propôs que o espaço e o tempo são uma coisa só, que não dá para separar um do outro. Ou seja, se você alterar um, o outro automaticamente vai se alterar. Exemplo: Um planeta muito grande, com uma massa muito grande, vai exercer uma força diferente no tecido espaço tempo. E isso te tudo a ver com processamentos virtuais e efeitos de carregamento. Bora pensar nas altas concentrações de massa do universo, como um planeta gigante, ou uma estrela gigante, ou melhor um buraco negro, super massivo. Este tipo de coisa muito pesada pode constituir uma alta quantidade de processamento e “arrastar” o tempo a sua volta. É a mesma coisa com uma alta concentração de dados, muitos dados em um computador, que diminui a velocidade de funcionamento de funções. Quanto mais dados mais devagar fica o computador.

Mas você pode virar e falar: Mas é lógico que não vivemos em uma realidade simulada, eu sinto, eu estou sentindo, eu vejo tudo, pois é, mas quem disse que não é uma máquina que está fazendo tudo isso? Não dá para provar.

Para finalizar este vídeo eu gostaria de fazer dois comentários:

Existe uma corrente da ciência – tecnologia e do movimento Maker chamada biohacking e ou Transhumanismo, onde o Ser humano tenta hackear o seu próprio corpo, em busca de melhorias.

 Elon Nusk pretende lançar em meados de 2020 – 2021 seus chips para implante em nossos cérebros. E recentemente um estudo pegou um rato em um laboratório e implantou um chip neste rato. Após o implante eles ficaram treinando este rato para fazer uma determinada tarefa. Quando o rato aprendeu a tarefa, eles transmitiram esta informação do aprendizado, para um outro rato em um outro laboratório do outro lado do mundo também com um chip implantado. Ao receber a informação o outro rato executou de primeira a tarefa aprendida pelo primeiro rato. Ou seja o cérebro do segundo rato fez um download da informação de como realizar a tarefa e o fez instantaneamente. Sinto que em um futuro próximo vou aprender Kung-Fu assim como Neo em Matrix.

O segundo comentário é que hoje também já se estuda, melhor dizendo já se fazem testes, para possibilitar a vida após à morte, pela simples transferência de nossas “consciências” ou memórias para uma simulação, ou seja um robô físico, biológico ou mesmo holográfico. Isso me lembra outro filme Superman – The Man of Steal. No filme Kal-el aprende tudo o que precisa saber sobre sua história, do seu planeta e dos seus poderes através de uma holografia com as memorias e a consciência de seu pai.  

Bom pessoal agora ficou faltando então um único vídeo desta série, que explora a natureza da realidade de acordo com a nossa visão da Conexão Energética.

Se você gostou do conteúdo deste vídeo, deixe seu like, inscreva-se no canal, acione o sininho para receber notificações dos novos vídeos, mande suas perguntas, sugestões, elogios e críticas, que eu ficarei muito feliz em poder interagir com você.

Espero que você viva um excelente momento presente, na sua verdade na sua consciência. Gratidão!

Fontes: Ei Nerd e Guru da Ciência