Olá,

Sejam todos bem vindos ao Podcast da Conexão Energética

Meu nome é Carlos Cesar.

No Podcast vamos iniciar a exploração dos conhecimentos da Sabedoria Ancestral Nativa, em especial das Tribos da América do Norte.

Este Conhecimento Ancestral saiu dos círculos dos Nativos, e começou a ser difundido ao redor do mundo através da Escritora Jamie Sams – Hancoka Olowampi – cuja tradução é: Canção da meia-noite, descendente das tribos Cherokee, Seneca Choctaw e Mohak.

O primeiro livro publicado por ela, em parceria com David Carson, foi As Cartas Xamânicas – A Descoberta do Poder Através das Energias dos Animais em 1988.

Que vamos explorar em podcast futuros.

Posteriormente ela publicou o livro que vamos começar e explorer no podcast de hoje: as Cartas do Caminho Sagrado – A Descoberta do Ser Através dos Ensinamentos dos índios Norte Americanos em 1990.

Segundo a Sabedoria Ancestral Nativa das Tribos Americanas a Cura significa tudo aquilo que possa vir a ajudar o indivíduo a se sentir mais integrado e harmonizado com a Natureza, e com todas as formas de vida.

O caminho de Cura é uma longa e estreita trilha de descobertas, replete de constantes renascimentos. Jamais deve ser tratado de maneira superficial.

Tudo aquilo que Cure o Corpo, Mente e o Espírito é considerado Medicina.

Acredite, o simples conhecimento desta Sabedoria Ancestral, e o modo de vida nativo, pode levar a um despertar da Consciência, e ao auto-desenvolvimento, mesmo nas grandes cidades nos dias de hoje.

Hoje vamos falar sobre a Carta número 1 – O Cachimbo.

Lembro muito bem que na minha infância, quando eu assistia os filmes de faroeste na Tv, em que os índios eram os bandidos e o homens brancos os mocionhos.

Era uma apologias aos feitos duvidosos dos colonizadores, que permaneceu por muito tempo em nossa cultura, como sendo a versão oficial da história.

Este história só começou a ser revisada e alterada no início dos anos de 1980, com filmes como Dança com Lobos e o Últimos dos Moicanos.

Lembro bem do tom irônico e de desprezo com que muitas pessoas, influenciadas por esta cultura dos conquistadores se referiam ao Cachimbo da Paz, sem ao menos entender o seu real significado.

Sinto-me grato e honrado por poder começar a série dos podcast sobre a Sabedoria Ancestral, passando a diante o real significado do Cachimbo.

O ensinamento que vem com o Cachimbo é de Oração e Paz Interior.

Desde o momento que a Grande Mulher Búfalo Branco apareceu para a nação Sioux (Lakota), que é uma Lenda e a Profecia que exploraremos um Podcast no futuro, o Cachimbo vem sendo considerado uma Cura Sagrada, partilhado entre homens e mulheres Nativos.

Trata-se de uma forma de Oração, que nos permite falar a verdade e curar todas as nossas relações.

Quero fazer uma pausa para esclarecer que O tabaco e o ato de fumar o Cachimbo entre as Tribos Nativas só é realizado como um ritual, e não deve ser confundido com o vício do fumo.

Os portadores de Cahimbo são os guardiões da tradição Sagrada e dos Rituais dos Povos Nativos. Eles servem ao Povo assim como um Padre, um Pastor servem a igreja e um Rabino serve a Sinagoga.

O portador do Cachimbo pode ser convocado para fumar em nascimentos, mortes, casamentos, ritos de passagem, acordos contratuais, conselhos, cerimônias especiais de purificação, meditações ao luar, ou quando alguém necessita de conforto, preces, ou deseja agradecer as graças recebidas.

Os Nativos não fumam indiscriminadamente o tabaco. Que é uma planta de Poder que contem ambos os aspectos Masculino e Feminino bem equilibrados. 

Foram os homens Brancos que enveredaram pelo caminho do vício do Tabaco, ressaltando os aspectos masculinos desta planta de poder que queima com o elemento fogo os homens por dentro.

Voltando os ensinamentos do Cachimbo:

O Cachimbo foi recebido para poder enviar as preces e manifestar a gratidão ao Grande Mistério e para simbolizar a paz entre todas as Nações, Tribos e Clãs.

O fornilho do Cachimbo representa o aspecto feminino de todas as coisas vivas

e o tubo é o símbolo do aspecto masculino em todas as formas de vida.

O Simples fato de colocar o tubo no fornilho simboliza união, criação e fertilidade.

A fumaça que sai do Cachimbo representa a prece visualizada e nos lembra do espírito presente em todas as coisas.

Compreendemos que toda a vida provém do Grande Mistério, e retornará a essa fonte original.

Graças a essa compreensão, sabemos que estamos todos seguindo o mesmo trajeto, caminhando juntos em cada parte do Elo Sagrado ou da Roda da Vida.

Quando o Cachimbo está abastecido, cada pitada de Tabaco é abençoada.

Toda vez que partilhamos o mesmo Cachimbo descobrimos a união com todos os nossos parentes.

Somos lembrados de que a harmonia á alcançada com todos os seres que nos cercam.

Honramos a Mãe Terra, o Pai Céu, o Avô Sol, a Avó Lua, as Quatro Direções, o Povo-em-Pé (árvores), O Povo de Pedra, os Seres de asas, os Seres de barbatanas, os Seres de quatro patas (animais), os Seres rastejantes (insetos), a Grande Nação das Estrelas, os Irmãos e Irmãs do Céu, os povos Subterrâneos, os Seres Trovão, os Quatro Espíritos principais (Ar, Terra, Água e Fogo) e todos os Seres de Dua Pernas da família Humana.   

Quero fazer uma pausa para esclarecer que os Nativos se referem a Deus como o Grande Mistério, pois não ousam interpretar a Deus. 

Julgam que o Ser Humano é incapaz de entender Deus em sua magnitude e complexidade, então nem perdem tempo com isso. 

Apenas creem na sua existência como o criador de todas as coisas.  

Retornando aos ensinamentos do Cachimbo:

Os aspectos do ensinamento do Cachimbo são multifacetados.

No mundo moderno muitas vezes olhamos para a paz como a ausência de guerra, mas a paz representa muito mais do que isso, dentro do modo Nativo de pensar.

A paz é um modo de agir, saber, criar, ouvir, falar e viver.

Em todas as circunstâncias a paz vem do interior de nosso próprio Ser.

Essa paz resulta do equilíbrio de reconhecer e honrar as polaridades masculina / feminina, Ensino / aprendizagem, humildade / orgulho e todos os outros aspectos do viver em harmonia.

Não é algo que possa ser pesado, exceto pelo nosso próprio Ser.

Se tivesse que haver uma medida, ela seria determinada pela capacidade do coração de permanecer aberto, sereno e livre de receios.

Vamos agora falar das Aplicações práticas do Cachimbo no nosso dia a dia:

O Cachimbo fala da paz interior que pode ser encontrada através do equilíbrio do Ser.

Chegou o momento de honrar ambos os lados da sua natureza, o masculino e o feminino, e reconhecer a Chama Eterna do Grande Mistério que vive dentro de você.

E a forma como você influencia as vidas dos outros depende deste seu equilíbrio.

Em relação a este ponto, que trata da forma como você influencia a vida de outras pessoas, Jamie Sans trás um exemplo bem bacana, baseado na sua experiência pessoal:

“Meu avô me levou ao lago da fazenda quando eu tinha 7 anos, e me pediu para jogar uma pedra na água.

Recomendou que eu prestasse atenção aos círculos criados pela pedra.

Então me pediu para pensar em mim como uma Pessoa de Pedra.

“Você pode criar muitos impactos na vida, mas as ondas provocadas por estes impactos irão perturbar a paz de todas as criaturas”, disse ele.”

Lembre-se que você é responsável pelo que colocou em seu círculo, e que o seu círculo também tocará em muitos outros círculos.

Você precisará viver de uma forma que permita que o bem que saia de seu círculo envie essa paz e essa bondade para os outros.

O impacto que vem da raiva ou da inveja enviará esses sentimentos maus para os outros círculos. E você será responsável por uns e outros”.

“ Foi a primeira vez que percebi que cada pessoa cria a paz interior e ou a discórdia que flui para o mundo.

Não podemos construir a paz mundial se estivermos emaranhados em conflitos internos, ódio, dúvidas ou raivas.

Nós irradiamos os sentimentos e pensamentos que guardamos dentro de nós, quer os exteriorizamos ou não.

O que quer que se passe dentro de nós se espalha pelo mundo, criando beleza ou discórdia frente a todos os outros círculos da vida”.

Quer complementar que este exemplo elucida perfeitamente a influência que causamos na vida das pessoas, mas gostaria de esclarecer que o Nativos se referem a Beleza como sinônimo de Cura, ou seja caminhar em beleza, é ou mesmo que o caminho da Cura.

Continuando com as aplicações práticas que o Cachimbo traz:

A Paz interior pode se reencontrada através da prece e da meditação para a compreensão de seu papel dentro de Toda a Criação.

A Paz mundial começa dentro do coração de cada indivíduo.

Chegou o momento de fazer as pazes como os outros, ou com o conflito interno que impede você de ver a beleza do seu verdadeiro potencial.

O Cachimbo pede que você honre as bênçãos concedidas pelo Grande Mistério.

O Cachimbo pede que você honre tudo aquilo que você é, e o motivo por que está aqui agora.

O Cachimbo te pergunta como você pode ajudar o mundo.

Ao fazer as pazes com o seu próprio Ser Interno, essas questões serão respondidas, e o Caminho Sagrado se tornará mas claro e luminoso dentro de você.

As músicas de fundo do podcast de hoje foram: 

O Retorno da Grande Tribo Galática do Álbum Filhos do Vento de Daniel Namkhay e  Song for your Ancestors do Álbum Sacred Journey de Billy Whithfox 

Agora quero convidar à todos para me acompanhar em um momento de meditação ao som da música: Circle of Friendship de Joanne Shenandoah do Álbum Colors – True contemporary world music from the Global Village…

“Cachimbo de meus Antepassados

Ensina-me a cantar em teu Louvor.

A todos os presentes

Que o Grande Mistério me traz.

Permita-me alcançar

A libertação do espírito.

E transmite a meu coração

A chama

Da tua paz eterna”.

Incorpore a mensagem e as aplicações do Cachimbo a partir de agora no seu dia a dia.

Separe um momento do seu dia para a meditação e para a prece.

Ambos podem ser feitos em qualquer lugar e em qualquer momento do dia, mas devem ser feitas com total atenção e com o coração aberto, sereno e livre de receios.

Sinta-se conectado e em Paz.

Espero que você tenha um excelente momento presente.

Gratidão!

Ahow 

Mitakuye Oyasin 

Da’ naho! 

Amém.

Por mim e por todas as minhas relações.

Assim Seja!